Favos de mel magnéticos criam novo tipo de computação

magneticoLeitura elétrica de dado magnético

A primeira grande vantagem desse novo material magnético em nanoescala é que a informação gravada em cada um dos "favos magnéticos" pode ser lida medindo-se sua resistência elétrica.

Ou seja, faz-se uma leitura elétrica de um dado que é armazenado magneticamente.

Isto coloca o material na fronteira do armazenamento de dados, uma fronteira que começou a ser desbravada por redemoinhos magnéticos, chamados "Skyrmions". Estes vórtices magnéticos viram "bits" gravados eletricamente.

O Dr. Will Branford e seus colegas do Imperial College de Londres criaram os favos de mel magnéticos em um material chamado "gelo de spin", o mesmo onde sua equipe havia detectado monopolos magnéticos em temperatura ambiente há cerca de dois anos.

magnetico2

A organização dos domínios magnéticos permite a realização de computações equivalentes a uma rede neural, com múltiplas saídas simultâneas. [Imagem: Branford et al./Science]

Novo tipo de computação

No experimento atual, novamente trabalhando a temperaturas muito baixas (-223 ºC), a equipe descobriu que os bits magnéticos agem de forma coletiva, organizando-se autonomamente em padrões.

É essa auto-organização que altera a resistência elétrica do material, permitindo a escrita e a leitura da informação magnética usando uma pequena corrente elétrica.

O mais interessante, contudo, é que, enquanto os domínios magnéticos de uma memória comum só conseguem guardar um bit de cada vez, um aglomerado de favos dessa colmeia magnética pode ser usado para resolver um problema computacional complexo em um único passo.

Cálculos computacionais desse tipo são conhecidos como redes neurais, por imitarem a forma que se acredita nossos cérebros usem para processar informações.

"A forte interação entre os magnetos vizinhos nos permite influenciar sutilmente como os padrões se formam ao longo dos favos de mel. Isto é algo de que poderemos tirar proveito para resolver problemas complexos, porque é possível gerar múltiplas saídas, e nós podemos diferenciar entre elas eletronicamente," explica o Dr. Branford.

Aquecimento

"Nosso próximo grande passo é construir um conjunto de nanomagnetos que possa ser programado sem usar campos magnéticos externos," anuncia o cientista.

E, a exemplo do que a equipe conseguiu fazer na etapa anterior da sua pesquisa, conseguir fazer com que o comportamento coletivo dos nanomagnetos seja mantido e controlado a temperatura ambiente.

Bibliografia:

Emerging Chirality in Artificial Spin Ice

W. R. Branford, S. Ladak, D. E. Read, K. Zeissler, L. F. Cohen

Science

Vol.: 335 no. 6076 pp. 1597-1600

DOI: 10.1126/science.1211379

Redação do Site Inovação Tecnológica - 06/04/2012

NOTÍCIAS

{{article.title}}{{article.date}}

@ Entre em contato

Instituto Nacional de Telecomunicações – Inatel

Campus em Santa Rita do Sapucaí - MG - Brasil

Av. João de Camargo, 510 - Centro - 37540-000

+55 (35) 3471 9200

Escritório em São Paulo - SP - Brasil

WTC Tower, 18º andar - Conjunto 1811/1812

Av. das Nações Unidas, 12.551 - Brooklin Novo - 04578-903

+55 (11) 3043 6015 | inatel.sp@inatel.br