Você está acessando nosso website pela primeira vez. Nosso site, objetivando permitir, particularmente, uma melhor interação com você, bem como para permitir funcionalidades para melhorar o funcionamento técnico das páginas, mensurar a audiência do website e oferecer produtos e serviços relevantes por meio de anúncios personalizados, coleta informações do seu dispositivo e da sua navegação por meio de cookies. Para saber mais sobre a coleta de dados/informações e cookies que coletamos, acesse a nossa Política de Privacidade.

Aceitar Não aceitar

Memória flexível, transparente e 3D que não perde dados

Este novo e sensacional tipo de memória é constituído de células que, além de serem flexíveis e quase transparentes, medem apenas 5 nanômetros, o que é muito menos do que o padrão da indústria eletrônica atual. Imagine quantas coisas poderemos fazer com elas!

Por exemplo:

Telefones celulares, que poderão ser enrolados no braço como relógios de pulso e/ou jóias....

Isto porque este novo tipo de memória, que usa o óxido de silício como componente ativo, permite combinar os eletrodos transparentes das telas sensíveis ao toque com outros componentes igualmente transparentes desenvolvidos ao longo dos últimos anos.

Substituição das atuais memórias "flash", o que abrirá possibilidade de várias e inovadoras aplicações. Já pensaram que fantástico?

Além de serem flexíveis e quase transparentes, estas novas células de memória são muito menores do que as atuais, e são construídas empilhadas umas sobre as outras, formando um chip 3D. Além do mais suportam temperaturas altíssimas, o que as torna candidatas também para aplicações espaciais.

A inovação é uma decorrência de desenvolvimento apresentado em 2010, quando foram construídos nanotransistores de dois terminais, medindo apenas 5 nanômetros, o que, como já foi citado, é muito menos do que o padrão da indústria eletrônica atual.

Os nanotransistores consistem de canais de cristais de silício puro, criados quando se aplica uma forte carga elétrica no óxido de silício, um isolante largamente usado pela indústria eletrônica.

A tensão inicial parece arrancar átomos de oxigênio do óxido de silício. Como conseqüência, cargas cada vez menores repetidamente interrompem e reconectam o circuito, transformando-o em memória não volátil.

Um sinal de menor tensão pode ser utilizado para ler a memória, sondando seu estado sem alterá-lo. Desde então, a equipe desenvolveu a memória de dois terminais, permitindo que as células individuais fossem empilhadas em uma configuração tridimensional, e postas sobre um substrato flexível.

Adaptado de:

http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=memoria-flexivel-transparente-3d&id=010110120329

NOTÍCIAS

{{article.title}}{{article.date}}

@ Entre em contato

Instituto Nacional de Telecomunicações – Inatel

Campus em Santa Rita do Sapucaí - MG - Brasil

Av. João de Camargo, 510 - Centro - 37540-000

+55 (35) 3471 9200

Política de Privacidade