Microrrobôs espaciais ajudam a prevenir infartos e derrames

Eles inicialmente serviriam para monitorar alterações na temperatura ou no escoamento, alertando sobre avarias iminentes.

Para fazer mover os insetos-robôs, os cientistas cobriram uma das faces do corpo do robô - essencialmente um microchip - com pequenos braços, inspirados nos cílios usados por algumas criaturas do fundo do mar para se movimentar.

"Eles poderiam então mover-se como milípedes," disse Djakov, atualmente à frente de sua própria

empresa emergente, a Microvisk Technologies.

Cada microrrobô é na verdade um MEMS, um sistema microeletromecânico, inteiramente contido em um chip. [Imagem: Semefab Ltd]010180120820-mems-espacial-3

Movimento ciliar

No entanto, os insetos espaciais estavam à frente do seu tempo quando foram sugeridos, e ainda não passaram da fase de testes.

A abordagem por imitação dos cílios, por outro lado, avançou um pouco mais.

Com o apoio do braço de transferência de tecnologia da agência espacial europeia (ESA), Djakov está explorando o potencial de sua ideia para o mercado médico.

A equipe de Djakov ajustou os mecanismos dos microchips e adicionou sensores nos "braços" de movimentação, dando-lhes sensibilidade, quase como bigodes de gato.

Estes bigodes mostraram-se muito eficazes no monitoramento de líquidos, sem precisar estar mergulhados nele.

Eles conseguem detectar, por exemplo, alterações na viscosidade do líquido, além de identificar materiais em suspensão.

"Isto é muito interessante para estudar o sangue, plasma, e outros fluidos corporais," disse Djakov.

A tecnologia dos microrrobôs foi transposta para analisar amostras de sangue, podendo prevenir tromboses, acidentes vasculares cerebrais e infartos. [Imagem: Microvisk Ltd]

Coagulômetro

Atualmente, a empresa emergente está colocando suas fichas em um aparelho de monitoramento da coagulação sanguínea para pacientes que tomam medicamentos anti-coagulação: "É como um teste de diabetes, só que voltado para a trombose."

Graças a este medidor de coagulação, batizado de CoagLite, os pacientes poderão em breve fazer eles mesmos os testes, em casa.

Novamente mostrando que os microrrobôs submarinos estão à frente de seu tempo, eles ainda não vão navegar pelas veias do paciente: eles vão analisar uma gota de sangue retirada por uma picada no dedo.

A gota é colocada em uma pequena câmara nas tiras de teste, quando então entra em ação o pequeno sensor com inteligência artificial, que acompanha a velocidade de coagulação da amostra.

Atualmente em ensaios clínicos, sob análise da agência reguladora norte-americana (FDA - Food and Drug Administration), o coagulômetro deverá estar no mercado no próximo ano.

Com informações da ESA - 20/08/2012

Adaptado de:

Redação do Site Inovação Tecnológica - 20/08/2012

NOTÍCIAS

{{article.title}}{{article.date}}

@ Entre em contato

Instituto Nacional de Telecomunicações – Inatel

Campus em Santa Rita do Sapucaí - MG - Brasil

Av. João de Camargo, 510 - Centro - 37540-000

+55 (35) 3471 9200

Escritório em São Paulo - SP - Brasil

WTC Tower, 18º andar - Conjunto 1811/1812

Av. das Nações Unidas, 12.551 - Brooklin Novo - 04578-903

+55 (11) 3043 6015 | inatel.sp@inatel.br