Célula a combustível gera eletricidade com energia do cérebro

Implantes cerebrais

Talvez não seja preciso apelar para a eletricidade sem fios para alimentar marca-passos e outros implantes médicos.

Engenheiros do MIT, nos Estados Unidos, desenvolveram uma célula a combustível que gera eletricidade a partir do mesmo açúcar que abastece as células humanas, a glicose.

A principal característica do dispositivo, contudo, é que ele já nasceu visando a aplicação que se tem em mente: ele foi projetado para ser implantado no cérebro humano.

Segundo os pesquisadores, quando totalmente desenvolvida, a célula a combustível alimentada por glicose poderá ser usada para abastecer sobretudo os delicados implantes cerebrais, que ajudarão pacientes com paralisia a reconquistar seus movimentos.

Energia do açúcar

Rahul Sarpeshkar e seus colegas construíram a célula a combustível sobre um chip de silício, o que permite que ela seja integrada com outros circuitos eletrônicos miniaturizados, como é típico dos implantes médicos, sobretudo aqueles voltados para inserção no cérebro.

A ideia não é exatamente nova: uma célula a combustível alimentada a glicose foi usada para alimentar um marca-passos nos anos 1970. Mas a ideia foi abandonada com o surgimento das baterias de lítio, capazes de fornecer uma potência maior.

Aqueles protótipos também usavam enzimas que se degradavam rapidamente, inviabilizando o uso das células a glicose por longos períodos.

Mas a nova célula a combustível construída em um chip de silício não tem componentes biológicos: ela usa um catalisador de platina para capturar elétrons da glicose, imitando a atividade das enzimas celulares que quebram a glicose para gerar ATP.010115120618-celula-combustivel-cerebro

O "gerador cerebral" poderá gerar eletricidade apenas entrando em contato com o fluido cerebroespinhal, que fica entre o cérebro e o crânio. [Imagem: Rapoport et al./PLoS ONE]

Energia do cérebro

O protótipo de célula a combustível a glicose gera algumas centenas de microwatts, o suficiente para alimentar um implante neural.

Benjamin Rapoport, que construiu a célula, afirma que o equipamento poderia tirar todo o seu combustível do fluido cerebroespinhal, que separa o cérebro do crânio.

A equipe do Dr. Sarpeshkar é pioneira em um campo que tenta interligar a biologia com a eletrônica - não a eletrônica digital, mas a eletrônica analógica.

Adaptado de:

Redação do Site Inovação Tecnológica - 18/06/2012

Bibliografia:

A Glucose Fuel Cell for Implantable Brain-Machine Interfaces

Benjamin I. Rapoport, Jakub T. Kedzierski, Rahul Sarpeshkar

PLoS ONE

Vol.: Published online

DOI: 10.1371/journal.pone.0038436

NOTÍCIAS

{{article.title}}{{article.date}}

@ Entre em contato

Instituto Nacional de Telecomunicações – Inatel

Campus em Santa Rita do Sapucaí - MG - Brasil

Av. João de Camargo, 510 - Centro - 37540-000

+55 (35) 3471 9200

Escritório em São Paulo - SP - Brasil

WTC Tower, 18º andar - Conjunto 1811/1812

Av. das Nações Unidas, 12.551 - Brooklin Novo - 04578-903

+55 (11) 3043 6015 | inatel.sp@inatel.br