Você está acessando nosso website pela primeira vez. Nosso site, objetivando permitir, particularmente, uma melhor interação com você, bem como para permitir funcionalidades para melhorar o funcionamento técnico das páginas, mensurar a audiência do website e oferecer produtos e serviços relevantes por meio de anúncios personalizados, coleta informações do seu dispositivo e da sua navegação por meio de cookies. Para saber mais sobre a coleta de dados/informações e cookies que coletamos, acesse a nossa Política de Privacidade.

Aceitar Não aceitar

Para ver o formulário de contatos você aceita nossa Política de Privacidade.

Aceitar Não aceitar

Clique e ouça a nossa rádio

107,9 FM - Rádio Educativa Inatel

.

PINK FLOYD DEVE VENDER CATÁLOGO DE MÚSICAS POR $400 MILHÕES.

Pink Floyd pode entrar para o grupo de artistas a venderem próprio catálogo de músicas, e por um valor estratosférico. A banda, hoje liderada pelo guitarrista e vocalista David Gilmour, pode lucrar £400 milhões (R$2,4 bilhões) com negociação. 

Conforme apurado pelo jornal The Times (via NME), além do grupo Blackstone, gigantes da área estão entre principais concorrentes para a compra dos direitos autorais, como Sony, Warner e BMG. 

A venda engloba canções e gravações de toda a discografia do Pink Floyd até o trabalho mais recente, a faixa “Hey, Hey, Rise Up!”, lançada para arrecadar fundos para ucranianos afetados pela guerra. 

As razões para artistas venderem o catálogo de produções são variadas. A visão de mercado, problemas pessoais e até a pandemia podem estar entre os motivos. Um dos exemplos é a tendência de queda do mercado de streaming nos Estados Unidos. Como prever qual será o futuro desses serviços? Há a possibilidade de avanços tecnológicos diminuírem o valor dos direitos autorais, como aconteceu com o surgimento do Napster no começo dos anos 2000? 

A quantia maior, recebida no momento da venda, evita preocupações com os próximos passos do mercado fonográfico. Os royalties, licenciamento e acordos com marcas, antes recebidos pelos autores, irão para os novos donos. Assim, caberá a eles decidir em quais mídias (filmes, programas de TV e publicidade, por exemplo) as composições devem aparecer ou não. 

Fonte: RockBizz 

Inatel

Instituto Nacional de Telecomunicações – Inatel

Campus em Santa Rita do Sapucaí - MG - Brasil

Av. João de Camargo, 510 - Centro - 37540-000

+55 (35) 3471 9200