Você está acessando nosso website pela primeira vez. Nosso site, objetivando permitir, particularmente, uma melhor interação com você, bem como para permitir funcionalidades para melhorar o funcionamento técnico das páginas, mensurar a audiência do website e oferecer produtos e serviços relevantes por meio de anúncios personalizados, coleta informações do seu dispositivo e da sua navegação por meio de cookies. Para saber mais sobre a coleta de dados/informações e cookies que coletamos, acesse a nossa Política de Privacidade.

Aceitar Não aceitar

Para ver o formulário de contatos você aceita nossa Política de Privacidade.

Aceitar Não aceitar

Projetos

Internet of Things

A Internet das Coisas (IoT, Internet of Things) se refere a interconexão digital de dispositivos eletrônicos por meio da Internet e uma rede de telecomunicações. A conexão entre esses aparelhos permite o controle remoto de suas funções e/ou o sensoriamento de aspectos naturais e humanos por meio de atuadores e sensores. Contudo, grande parte das aplicações IoT apresentam vulnerabilidades em segurança cibernética. Dentre elas, citamse interface web insegura, autenticação fraca ou insuficiente, rede insegura e ausência de criptografia. Além disso, as principais soluções IoT se baseiam em atuadores e sensores que seguem condições previamente estabelecidas e/ou a intervenção humana. Em outras palavras, apenas condições de automatização são criadas para IoT. Muitas das vezes, questões de cognição, previsão e tomada de decisão baseada em uma grande quantidade de dados não são embutidas nos projetos de IoT. Logo, os projetos de IoT em desenvolvimento pelo Laboratório CS&I visam embutir soluções que atendam as áreas de segurança cibernética e inteligência artificial. O conceito de IoT, aliado a segurança cibernética e inteligência artificial, oferece um vasto campo para inovações tecnológicas e sociais.

Projetos atuais

  • Secure EcoWaste: Plataforma de segurança cibernética aplicada à lixeira inteligente para coleta seletiva

    Alunos:
    • Felipe Lorenzo Sossai Silva Forza/li>
    • Leonardo Teodoro Costa de Oliveira

    Orientadores:

    • Prof. Dr. Guilherme Pedro Aquino
    • Eng. MSc. Evandro César Vilas Boas
    Descrição: Esse projeto visa o desenvolvimento de um sistema que integre uma lixeira inteligente, banco de dados e um aplicativo móvel para incentivar a população em geral em aderir a coleta seletiva de lixo. As lixeiras seriam posicionadas na parte externa à faixada das casas para que seus residentes possam fazer o descarte correto e o catador possa esvaziá-las. Para incentivo, visa-se gamificar a aplicação com pontuação pela massa depositada. Por outro lado, o catador terá acesso em tempo real às lixeiras com capacidade máxima e poderá fazer a reserva dessa lixeira, garantindo a efetividade do deslocamento pelas diferentes lixeiras da cidade. As comunicações relacionadas ao projeto serão implementadas por meio do protocolo TLS (Transport Layer Security) para prover segurança cibernética fim-a-fim.
     
  •  
  • Smart bike – Inatel Smart Campus: Fase III

    Aluno(os):
    • Lucas Fajardo de Mello
    • Diogo Meneglado Maioli Rosa

    Orientadores:

    • Prof. Dr. Guilherme Pedro Aquino
    • Eng. MSc. Evandro César Vilas Boas
    Descrição: O advento de aplicações em IoT tornou possível o desenvolvimento de aplicações e soluções práticas em diversas áreas. Dentre elas, encontra-se por exemplo modelos de negócios baseados no aluguel de bicicletas por meio da prática by your self. Nesse modelo, o usuário retira o veículo em plataformas espalhadas pela área urbana de uma cidade e se desloca ao seu destino, depositando-o em uma segunda plataforma. Utilizam-se aplicativos celulares que se comunicam com sistemas web para calcular e cobrar o valor do aluguel, dado determinado deslocamento. Com o intuito de desenvolver um sistema similar e que traga benefícios aos alunos e funcionários do Inatel, iniciou-se o projeto de um sistema para controle de acesso e monetização de locação de bicicletas. Esse projeto representa o terceiro estágio no desenvolvimento da Smart Bike, com intuito de desenvolver uma plataforma modelo e aplicar o conceito em uma bicicleta.
     
  •  
  • Secure Smart CS&I Lab

    Aluno(os):
    • Laura Pivoto Ambrósio
    • Fernando Fernandes Ramborger

    Orientadores:

    • Prof. Dr. Guilherme Pedro Aquino
    • Eng. MSc. Evandro César Vilas Boas
    Descrição: Tipicamente, as soluções IoT desenvolvidas se baseiam em atuadores e sensores que seguem condições previamente estabelecidas e/ou a intervenção humana. Em outras palavras, apenas condições de automatização são criadas para IoT. Muitas das vezes, questões de cognição, previsão e tomada de decisão baseada em uma grande quantidade de dados não são embutidas nos projetos de IoT. Esse projeto visa dar continuidade ao Projeto Smart House: aplicações IoT residenciais seguras e inteligentes, no que concerne a aplicação de Inteligência Artificial, utilizando conceitos de processamento de linguagem natural (PNL) para desenvolver uma assistente virtual que será integrada as aplicações IoT com a finalidade de reduzir a intervenção humana e melhorar a experiência do usuário.
  •  
  • Estudo de firmwares usados em protocolos Zigbee

    Aluno(os):
    • João Vítor Carvalho de Paula Dutra
    • Leonardo Mendonça Franco

    Orientador:

    • Eng. MSc. Evandro César Vilas Boas
    Descrição: O objetivo desse trabalho é desenvolver pesquisas sobre como implementar os firmwares nos dispositivos IoT e entender quais estratégias são usadas para os dispositivos Zigbee. Esse projeto é fomentado pela empresa Pixel TI, localizada em Santa Rita do Sapucaí.
  •  
  • Desenvolvimento de uma Plataforma de Sensoriamento Modular para Cultivares em Sistemas Hidropônicos e Semi-Hidropônicos

    Aluno:
    • Arthur Ferreira Silva

    Orientador:

    • Eng. MSc. Evandro César Vilas Boas
    Descrição: Esse projeto visa integrar diversas funções no campo tecnológico da agricultura em um só produto, trazendo automatização e monitoramento para toda a área de cultivo, com diversos tipos de sensores controlando funções como: dispersão de adubo, irrigação e reposição de estoque, tudo implementado por um sistema wireless, denotando um sistema de comunicação IoT. Dessa forma, visualiza-se uma evolução sobre os produtos semelhantes disponíveis no mercado através de um sistema computacional modular e inteligente. Visam-se como principais características três subsistemas: subsistema sensorial, subsistema de atuação e subsistema de comunicação, que engloba comunicação M2M (machine-to-machine) e conectividade IoT (Internet of Things). Utilizam-se diferentes sensores para uma tomada de decisão mais assertiva e dinâmica, provendo um manejo autônomo de culturas em regime semi-hidropônico e hidropônico.
  •  

Projetos concluídos

  • Controle de dispositivos residenciais

    Alunas:
    • Arielli Ajudarte da Conceição
    • Ana Clara dos Santos Rosa
    • Eliza Aparecida Crisóstomo Reis

    Orientador:

    • Prof. MSc Antônio Alves Ferreira Júnior
    Descrição: Desenvolveu-se um sistema para controle de dispositivos residenciais como lâmpadas, ar condicionado e cortinas. Esse sistema possui uma solução em hardware que utiliza sensores e atuadores para implementar as decisões condicionadas por meio de um software. A aplicação permite que o usuário controle os dispositivos por meio de comando de voz através de um smartphone.
     
  •  
  • Luminárias inteligentes para Smart Cities

    Aluno:
    • Nathan Ribeiro da Cunha Azevedo

    Orientador:

    • Prof. Carlos Alberto Ynoguti
    Descrição: Inicialmente estudou-se o mercado de iluminação pública. Posteriormente, desenvolveu-se um circuito de controle e medição para luminárias públicas LED utilizando o Smart Plug da Pixel Ti. Esse projeto foi desenvolvido em parceria com a Pixel TI, uma empresa de tecnologia da informação focada em soluções sem fio e localizada em Santa Rita do Sapucaí.
     
  •  
  • Sensor residencial para gases inflamáveis

    Aluno(os):
    • Thiago Carvalho de Almeida

    Orientador:

    • Prof. Carlos Alberto Ynoguti
    Descrição: A proposta consiste no desenvolvimento de uma solução IoT para detecção de concentração de gases inflamáveis em ambientes residências, com o intuito de diminuir acidentes causados por vazamento. Esse projeto é desenvolvido em parceria com a Pixel TI, uma empresa de tecnologia da informação focada em soluções sem fio e localizada em Santa Rita do Sapucaí.
  •  
  • Sistema de controle não invasivo para carregadores de carros elétricos

    Alunos:
    • João Pedro Dias Antiquera
    • Danilo Vidal Ribeiro

    Orientadores:

    • Prof. Dr. Guilherme Pedro Aquino
    • Eng. MSc. Evandro César Vilas Boas
    Descrição: O Inatel (Instituto Nacional de Telecomunicações) foi recentemente contemplado com um carregador de carros elétricos, o qual será instalado no campus para uso geral de funcionários e alunos. Todavia, o carregador não dispõe de um sistema de gerência e monetização do consumo de energia elétrica. Desse modo, desenvolveu-se um controle não invasivo para monitoramento de consumo e monetização, que será integrado ao carregador. Em sua primeira versão, o controlador atendeu aos requisitos estabelecidos. Todavia, a solução não possui segurança em aspectos relacionados à proteção de dados ou identificação de fraudes no consumo. Logo, visa-se agregar ao projeto inicial aspectos de Blockchain, mais especificamente contratos inteligentes, para prover segurança cibernética e conceitos de aprendizado de máquina (machine learning) para proporcionar mecanismos de identificação de fraudes, por meio do monitoramento do padrão de consumo de energia elétrica.
     
  •  
  • Sistema de sensoriamento de corrente elétrica utilizando IoT

    Alunos:
    • Ítalo Augusto de Sousa Tacca
    • João Pedro Dias Antiquera
    • Eliza Aparecida Crisóstomo Reis

    Orientador:

    • Prof. MSc Antônio Alves Ferreira Júnior
    Descrição: Desenvolveu-se um controle não invasivo para carregadores de carro elétrico que permite gerenciar e monetizar o consumo. A solução compreende uma aplicação IoT que coleta dados do sensor de corrente não invasivo, processando e enviando-os para armazenamento em uma plataforma online. Esse projeto alinhou-se com uma necessidade do Smart Campus do Inatel, que recentemente foi contemplado com um carregador de carros elétricos, o qual será instalado no campus para uso geral de funcionários e alunos.
     
  •  
  • Smart bike – Fase I

    Alunos:
    • Thamer Reis Leme
    • Yara Caroline Tavares Mendes
    • Pedro Henrique Carmo Piantino

    Orientador:

    • Prof. MSc Antônio Alves Ferreira Júnior
    Descrição: Visando projetar um sistema by your self para empréstimos de bicicletas, denominado Smart bike do Inatel, desenvolveu-se um sistema inicialmente capaz de proporcionar a identificação do usuário, rastreamento de percurso e demonstração de rota. Realizou-se a identificação do usuário por meio de leitor de RF. O rastreio de rota foi feito por meio de um módulo GPS. Logo, o sistema valida as informações do usuário e envia os dados de geolocalização para armazenamento em uma plataforma online, após processá-los.
     
  •  
  • Smart bike – Fase II

    Aluno(os):
    • Thamer Reis Leme

    Orientadores:

    • Prof. Dr. Guilherme Pedro Aquino
    • Eng. MSc. Evandro César Vilas Boas
    Descrição: O advento de aplicações em IoT tornou possível o desenvolvimento de aplicações e soluções práticas em diversas áreas. Dentre elas, encontra-se por exemplo modelos de negócios baseados no aluguel de bicicletas e/ou patinetes por meio da prática by your self. Nesse modelo, o usuário retira o veículo em plataformas espalhadas pela área urbana de uma cidade e se desloca ao seu destino, depositando-o em uma segunda plataforma. Utilizam-se aplicativos celulares que se comunicam com sistemas web para calcular e cobrar o valor do aluguel, dado determinado deslocamento. Com o intuito de desenvolver um sistema similar e que traga benefícios aos alunos e funcionários do Inatel, iniciou-se o projeto de um sistema para controle de acesso e monetização de locação de bicicletas. A princípio, essas bicicletas estariam dispostas em uma plataforma no campus do Inatel e poderiam ser utilizadas por alunos e funcionários para se deslocarem pela cidade de Santa Rita do Sapucaí. Outras plataformas, seriam implantadas em pontos estratégicos da cidade para a devida devolução. Em sua primeira versão, o projeto Smart bike concluiu as seguintes funcionalidades: sucesso na identificação do usuário, rastreamento de percurso e demonstração de rota ao usuário. Todavia, não possui segurança em aspectos relacionados à proteção de dados dos usuários. Logo, visa-se agregar ao projeto inicial aspectos de Blockchain e conceitos de aprendizado de máquina (machine learning) para prover segurança cibernética.
     
  •  
  • Smart House: aplicações IoT residenciais seguras e inteligentes

    Aluno(os):
    • Arielli Ajudarte da Conceição
    • Ana Clara dos Santos Rosa

    Orientadores:

    • Prof. Dr. Guilherme Pedro Aquino
    • Eng. MSc. Evandro César Vilas Boas
    Descrição: Em um ambiente residencial, a IoT proporciona o desenvolvimento de projetos de automação residencial, pelo qual diversos aparelhos eletrônicos são conectados à Internet e controlados remotamente por smartphones. Contudo, grande parte das aplicações IoT apresentam vulnerabilidades em segurança cibernética. Além disso, as principais soluções IoT se baseiam em atuadores e sensores que seguem condições previamente estabelecidas e/ou a intervenção humana. Em outras palavras, apenas condições de automatização são criadas para IoT. Muitas das vezes, questões de cognição, previsão e tomada de decisão baseada em uma grande quantidade de dados não são embutidas nos projetos de IoT. Logo, o objetivo deste trabalho é desenvolver aplicações residências baseadas em IoT, porém, embutindo soluções que atendam as áreas de segurança cibernética e inteligência artificial.
  •  

Cyber Security

Segurança cibernética (cyber security) é o termo que designa o conjunto de meios e tecnologias que visam proteger programas, computadores, redes e dados de danos e invasões. Com o crescimento do número de dispositivos computacionais interconectados, há um aumento de riscos aos sistemas informatizados. Os ataques cibernéticos são responsáveis por sérias consequências à empresas, pessoas e países, por isso, é necessário o emprego de tecnologias e políticas de segurança apropriadas.

Projetos atuais:

  • Key Wireless

    Alunos:
    • Nathalia Dias de Oliveira Magalhães
    • Robélia Souza de Oliveira

    Orientador:

    • Prof. Dr. Guilherme Pedro Aquino
    Descrição: O procedimento de estabelecimento de chave criptográfica é um assunto extremamente importante em segurança cibernética, principalmente quando se quer estabelecer uma comunicação confidencial entre duas ou mais entidades da rede. Por meio das chaves criptográficas é que as entidades da rede conseguem codificar suas informações e torná-las confidenciais. Existem várias formas de se estabelecer chaves criptográficas entre entidades de rede. Contudo, essas abordagens não são muito adequadas para dispositivos que estão em alguma plataforma de dispositivos da Internet das coisas (IoT – Internet of Things). Pois, esses dispositivos normalmente possuem arquitetura simples e não são dotados de alto poder computacional grande. Recentemente, desenvolveu-se um sistema de estabelecimento de chaves criptográficas mais amigáveis aos dispositivos de IoT. Esse novo sistema utiliza como segredo de estabelecimento de chave o próprio ganho do canal sem fio existente entre dois dispositivos quaisquer [3]. Além disso, não requer um alto poder computacional para geração das chaves, nem consome muita energia desses dispositivos. O objetivo desse projeto de iniciação científica é estudar esse novo esquema de estabelecimento de chaves simétricas e avaliar a possibilidade de inserir esse novo sistema nos projetos existentes do laboratório denominado CS&I Lab.
     
  •  

Projetos concluídos

  • Caderno de experimentos práticos sobre Firewall, IDS e IPS para uso no laboratório de segurança de redes do Inatel

    Alunos:
    • Iago Markes Moreira
    • Thomás Ferreira Pitarello
    • Nathália Dias de Oliveira Magalhães
    • Ítalo de Rezende
    • Alessandra Carolina Domiciano

    Orientadores:

    • Prof. MSc. Guilherme Pedro Aquino
    • Esp. Francisco de Assis Silva do Carmo
    Descrição: Desenvolveu-se um caderno de experimentos práticos que pode ser usado nos laboratórios de disciplinas que abordam aspectos de segurança de redes. Esses experimentos levaram em consideração a utilização de Firewalls, IDS e IPS instalados dentro das dependências dos laboratórios.
     
  •  
  • Caderno de experimentos práticos sobre Testes de Penetração (PenTest) para uso no laboratório de segurança de redes do Inatel

    Alunas:
    • Maria Tereza Yassin Rossi de Castro
    • Alessandra Carolina Domiciano

    Orientadores:

    • Prof. MSc. Guilherme Pedro Aquino
    • Esp. Francisco de Assis Silva do Carmo
    Descrição: Desenvolveu-se um caderno de experimentos práticos que será usado nos laboratórios de disciplinas que abordam aspectos de segurança de redes. Esses experimentos levaram em consideração a utilização das defesas mais difundidas para os sistemas instalados dentro das dependências dos laboratórios do Inatel.
     
  •  
  • Caderno de experimentos sobre Ferramentas de Análise de Vulnerabilidades

    Alunos:
    • Lucas de Souza Vaz
    • Luiz Fernando Fernandes Irineu
    • Matheus Braga Teixeira

    Orientador:

    • Esp. Francisco de Assis Silva do Carmo
    Descrição: O objetivo deste trabalho é gerar um caderno de experimentos práticos que pode ser utilizado nos laboratórios das disciplinas que abordem aspectos de segurança de redes e sistemas. Esses experimentos levarão em consideração a utilização de ferramentas para análise de vulnerabilidades, que serão instaladas dentro das dependências dos laboratórios. Por meio do caderno, professores, monitores e alunos poderão realizar experimentos de instalação, avaliação e sugestão de correção de vulnerabilidades para fins didáticos. Pretende-se utilizar distribuições open source das principais ferramentas de análise de vulnerabilidade difundidas na Internet. Dessa forma, o custo de implantação destes cenários dentro dos laboratórios será minimizado.
     
  •  
  • Caderno de experimentos sobre sistema de monitoramento proativo de redes utilizando Python

    Aluno:
    • Fernando Batista de Souza

    Orientador:

    • Esp. Francisco de Assis Silva do Carmo
    Descrição: O objetivo deste projeto é gerar um caderno de experimentos práticos para uso nos laboratórios de disciplinas que abordem aspectos de segurança e gerência de redes. Esses experimentos serão elaborados com base em um sistema de monitoramento de redes/sistemas e uso de scripts em linguagem de programação Python. Os scripts serão utilizados para otimizar o monitoramento de forma proativa. Professores e alunos poderão utilizar o caderno para realizar experimentos de inclusão, avaliação, diagnóstico e correção de dispositivos integrantes de um sistema de redes e telecomunicações. Além disso, será possível avaliar as questões de segurança relacionadas à cada dispositivo para fins didáticos. Pretende-se utilizar distribuições open source das principais ferramentas de monitoramento já disponíveis e difundidas na Internet.
     
  •  
  • Elaboração de sequência de testes de segurança cibernética para a adequação das instituições à LGPD

    Alunos:
    • Bruna Gabriella Baldoni de Almeida
    • Nayara Pereira Simões
    • Gabriel Henrique Barros Damasceno
    • Fructueux Farid Nougbognon Laleye

    Orientador:

    • Prof. Dr. Guilherme Pedro Aquino
    Descrição: Visando a adequação das instituições à Lei Geral de Proteção de Dados, Lei nº 13.709/2018, esse trabalho tem o objetivo de desenvolver uma sequência de testes de cyber segurança com orientações básicas. Além disso, esse framework será utilizado nos laboratórios das matérias que abordem aspectos relacionados ao tema em questão. Esses experimentos levarão em consideração a utilização de ferramentas de tecnologia da informação e processos instalados dentro das dependências dos laboratórios. Dessa forma, professores, monitores e alunos poderão realizar experimentos de implantação, avaliação e adequação com a LGPD para fins didáticos, aumentando o conhecimento de todos envolvidos no processo de educação dos cursos de engenharias do Inatel.
     
  •  
  • Elaboração de um framework com as orientações básicas para a adequação das instituições à LGPD

    Alunos:
    • Jamille de Cássia Alfredo Chagas
    • Nathália Dias de Oliveira Magalhães
    • Robélia Souza de Oliveria

    Orientador:

    • Prof. Dr. Guilherme Pedro Aquino
    Descrição: Visando a adequação das instituições à Lei Geral de Proteção de Dados, Lei nº 13.709/2018, esse trabalho tem o objetivo de desenvolver um framework com orientações básicas. Além disso, esse framework será utilizado nos laboratórios das matérias que abordem aspectos relacionados ao tema em questão. Esses experimentos levarão em consideração a utilização de ferramentas de tecnologia da informação e processos instalados dentro das dependências dos laboratórios. Dessa forma, professores, monitores e alunos poderão realizar experimentos de implantação, avaliação e adequação com a LGPD para fins didáticos, aumentando o conhecimento de todos envolvidos no processo de educação dos cursos de engenharias do Inatel.
     
  •  
  • Uso da blockchain em problemas relacionados à Engenharia de Telecomunicações

    Alunos:
    • Murilo Dourado
    • Pedro Lopes de Oliveira
    • Alessandra Carolina Domiciano

    Orientador:

    • Prof. Dr. Guilherme Pedro Aquino
    Descrição: Desenvolveu-se um estudo preliminar sobre a utilização da blockchain em problemas relacionados à engenharia de telecomunicações. Criou-se um ambiente de testes para alguns destes problemas nas dependências do CS&I Lab no Inatel.
     
  •  

 

Educação

Os projetos de educação desenvolvidos pelo laboratório visam difundir e capacitar alunos de nível fundamental, médio e técnico em áreas correlatas à Engenharia de Telecomunicações. Para isso, desenvolvem-se minicursos, palestras, workshops, etc. de forma a incentivar o interesse pela engenharia e demonstrar a importância de Telecomunicações para a sociedade de forma interativa e prática. Tais atividades serão modularizadas e poderão ser aplicadas à comunidade em geral, desde professores e alunos de ensino médio e fundamental até à alunos de nível técnico que queiram aprofundar seus conhecimentos ou ter uma visão mais ampla dessa área.

Projetos atuais

  • Telecom Challenge: Ensino de redes de telecomunicações e cyber segurança por meio da gamificação

    Alunos:
    • Thiago Henrique de Oliveira Campos
    • Olívia Carvalho Bertolaccini Santos

    Orientador:

    • Eng. André do Nascimento
    • Eng. MSc. Evandro César Vilas Boas
    Descrição: A gamificação ou gamification do ensino tem-se tornado uma ferramenta útil para o engajamento e aprendizado de jovens e adolescentes. Jogos podem ser aplicados como metodologias para o aprendizado, tornando a assimilação de conteúdo prazerosa e intuitiva. Essa prática encontra-se em evidência e desenvolvimento, dado o contexto atual, no qual o acesso à dispositivos eletrônicos têm-se popularizado. Portanto, o projeto Telecom Challenge – Desafio Hacker tem como objetivo disseminar o conhecimento na área de redes de telecomunicações e cyber segurança por meio de uma competição para alunos de ensino médio e/ou técnico de escolas públicas e particulares.
     
  •  

 

Projetos concluídos

  • Telecom Challenge – Desafio Hacker: Gamificação como uma abordagem ao ensino de redes de telecomunicações e cyber segurança

    Alunos:
    • Luiz Fernando Fernandes Irineu
    • Raissa Lara Moura Brito Borin
    • Vitória de Moraes Dutra

    Orientador:

    • Eng. MSc. Evandro César Vilas Boas
    Descrição: A gamificação ou gamification do ensino tem-se tornado uma ferramenta útil para o engajamento e aprendizado de jovens e adolescentes. Jogos podem ser aplicados como metodologias para o aprendizado, tornando a assimilação de conteúdo prazerosa e intuitiva. Essa prática encontra-se em evidência e desenvolvimento, dado o contexto atual, no qual o acesso à dispositivos eletrônicos têm-se popularizado. Portanto, o projeto Telecom Challenge – Desafio Hacker tem como objetivo disseminar o conhecimento na área de redes de telecomunicações e cyber segurança por meio de uma competição para alunos de ensino médio e/ou técnico de escolas públicas e particulares.
     
  •  
  • Caderno de desenvolvimento de aplicações IoT utilizando ESP8266 e MicroPython

    Alunos:
    • Fernando Fernandes Ramborger
    • Maria Fernanda Totti
    • Maysa Freire dos Santos

    Orientador:

    • Eng. MSc. Evandro César Vilas Boas
    Descrição: O desenvolvimento de projetos utilizando microcontroladores como os da família ATmega e o ESP8266 envolve o uso de linguagens de programação como C++. Todavia, é possível adaptar o microcontrolador ESP8266 para que a programação do hardware seja realizada em linguagem Python específica, denominada MicroPython. O MicroPython é uma versão condensada do Python 3 e embarcada em hardware. Logo, o objetivo deste trabalho é elaborar um caderno para o desenvolvimento de aplicações IoT utilizando o microcontrolador ESP8266 e a linguagem de programação Python. O caderno será utilizado para o desenvolvimento de cursos e minicurso, cujo objetivo é prover aprendizado e domínio das ferramentas de hardware, firmware e software. Além de disseminar o conhecimento em engenharia e desenvolvimento de aplicações IoT utilizando linguagem Python.
     
  •  
  • Transmissão multi-meios

    Alunos:
    • Nathália Dias de Oliveira Magalhães
    • Robélia Souza de Oliveira

    Orientador:

    • Prof. MSc. Guilherme Pedro Aquino
    Descrição: Desenvolve-se um projeto interativo que mostra as diversas formas de se transmitir um sinal usando meios diferentes. Basicamente, o projeto explora a transmissão de sinais via: interface aérea, pares de fios metálicos, fibra óptica, água e luz visível.
     
  •  

 

Projetos em Tecnologias Emergentes

Projetos atuais

  • Desenvolvimento de Sistemas de Determinação e Controle de Altitude para CubeSats

    Alunos:
    • Diego Anestor Coutinho
    • Fernando Ferandes Ramborger

    Orientador:

    • Prof. MSc. Antonio Alves Ferreira Junior
    • Eng. MSc. Evandro César Vilas Boas
    Descrição: As comunicações via satélite se destacam entre os meios de telecomunicações pela cobertura ampla, superando aspectos geográficos como áreas de sombreamento continentais se comparadas as redes terrestres. Dentre os diversos tipos de satélites, destacam-se os nanosatélites com massa entre 1 e 10kg, dentre os quais se enquadram os CubeSats [3]. O CubeSat é composto de diferentes sistemas e subsistemas como o “Determinação e Controle de Altitude”. Esse subsistema é responsável pelo controle e execução prática de movimento no satélite, além de determinar o sentido e direção no qual o objeto se encontra [5, 6]. O sistema integra diversos sensores que são responsáveis pelas mais diversas medições do ambiente. Os dados obtidos são processados pela unidade de computação de bordo, que determina possíveis correções no movimento do CubeSat por meio de comandos enviados ao ADCS. O Inatel, por meio da Coordenação de Engenharia de Telecomunicações e Laboratório de Cyber Segurança e Internet das Coisas (CS&I Lab.), iniciou no segundo semestre de 2020 um projeto que visa formar uma equipe de pesquisa, desenvolvimento e competição em CubeSats, sendo composta por membros do corpo discente da Instituição. Logo, esta proposta visa o desenvolvimento de um sistema de determinação e controle de altitude que virá a integrar a estrutura do CubeSat a ser desenvolvido pela equipe.
     
  •  
  • Estudo sobre aplicação de Rádio Definido por Software em Comunicações via Satélite

    Alunos:
    • Hallan Lima Fonseca

    Orientador:

    • Prof. Dra. Daniely Gomes Silva
    • Eng. MSc. Evandro César Vilas Boas
    Descrição: Os sistemas e redes tradicionais de comunicação via satélite se caracterizam por apresentar inflexibilidade em relação às atualizações de hardware e software, tornando-os dependentes de arquiteturas previamente planejadas. Impossibilitam-se a introdução de novas tecnologias e serviços e a interoperabilidade entre satélites e/ou tecnologias de comunicação proprietárias. Por outro lado, tecnologias emergentes como rádio definido por software e redes definidas por software permitem agregar flexibilidade e interoperabilidade às redes satelitais. A implementação de sistemas de comunicação utilizando o conceito de Rádio Definido por Software tem como objetivo a possibilidade de operar diferentes configurações de sistemas sobre um mesmo hardware. Logo, esse trabalho visa realizar um estudo sobre como o conceito de rádio definido por software pode ser aplicado às redes de satélites, destacando os aspectos de camada física e de enlace.
     
  •  
  • Autoencoders para implementação de sistemas de comunicação digital em rádios definidos por software

    Alunos:
    • Pedro Lucas Siqueira Paulino
    • Thamer Reis Leme

    Orientadores:

    • Prof. Dr. Felipe Augusto Pereira de Figueiredo
    • Eng. MSc. Evandro César Vilas Boas
    Descrição: Esse projeto visa o estudo, desenvolvimento e implementação de autoencoders para sistemas de comunicação em ambiente de rádio definido por software. Para isso, será utilizado o programa de código-aberto GNU Radio Companion e a linguagem de programação Python para o desenvolvimento do projeto. Visa-se treinar uma rede neural para integração à um sistema de comunicação em ambiente do GNU Radio Companion e comparação de seu desempenho com o sistema de comunicação convencional, utilizando-se métricas de desempenho como a taxa de erro de bit (BER, bit error rate).
     
  •  

 
Inatel

Instituto Nacional de Telecomunicações – Inatel

Campus em Santa Rita do Sapucaí - MG - Brasil

Av. João de Camargo, 510 - Centro - 37540-000

+55 (35) 3471 9200